Hipertensão: a vilã silenciosa do coração saudável

Hipertensão: a vilã silenciosa do coração saudável

29 de Setembro é o Dia Mundial do Coração. Saiba como cuidar melhor dele prevenindo-se contra um de seus maiores vilões: a hipertensão.

dia-mundial-do-coracao
por  Vívian Franceschini dos Santos*

 

HIPERTENSÃO ARTERIAL: DEFINIÇÃO E IMPORTÂNCIA

Pressão arterial (PA) é a força exercida pelo sangue sobre os vasos sanguíneos que saem do coração e conduzem oxigênio e nutrientes para todo o nosso corpo.

A hipertensão arterial sistêmica (HAS) ou pressão alta, como ela é popularmente conhecida, é causada pelo aumento dos níveis normais da PA. Em mais de 90% das vezes, o aparecimento desta doença não tem nenhuma causa, sendo chamada de primária, ou essencial. Em poucos casos ela surge como reflexo de alterações dos rins, aorta ou tumores – e nestes casos o tratamento deve ser sobre a causa. A HAS primária é um importante problema de saúde pública, afetando mais de 30% dos brasileiros adultos.

Inicialmente, ela pode ser uma inimiga silenciosa, o que torna o avanço da doença bastante perigoso

Como ela não possui causa aparente, seu aparecimento pode se dar em qualquer momento da vida. Como a hereditariedade é um grande fator de risco, grande atenção aos sintomas deve ser tomada pelos filhos ou netos de hipertensos. Inicialmente, ela pode ser uma inimiga silenciosa, sem sinais ou sintomas, mas também pode, mais raramente, apresentar sintomas como dores de cabeça, tontura e falta de ar.

Por ser silenciosa, a não identificação e o avanço da doença são bastante perigosos, levando ao desenvolvimento de doenças cardiovasculares, fato que contribui com a mortalidade de milhões de pessoas em todo o mundo. Por exemplo, o infarto do miocárdio (que acomete com grande frequência os hipertensos) foi a principal causa das mortes no Brasil no ano de 2014, segundo dados do DATASUS.

 

 

COMO PREVENIR ESSA DOENÇA TÃO IMPORTANTE

A HAS é um fator de risco modificável – em outras palavras, existem diversas medidas que podem ser tomadas para reduzir ou retardar seu avanço. A fim de reduzir eventos cardiovasculares fatais (morte) e não fatais (doenças), diversos estudos têm demonstrado que as modificações no estilo de vida são eficazes em prevenir ou retardar o início da HAS e devem ser estimuladas tanto para a população geral – incluindo crianças e jovens – quanto para os grupos com maior risco de desenvolver hipertensão, como os idosos com mais de 65 anos, indivíduos de raça negra ou que tenham histórico familiar da doença.

A mudança no estilo de vida envolve uma alimentação saudável e balanceada, ou seja, o consumo de frutas, legumes, vegetais, fibras e grãos, além da redução da ingestão de álcool, sal e alimentos gordurosos. Outro fator importante é a prática regular de exercícios físicos, que contribui para a redução do peso corporal e consequentemente da pressão. Dentre as medidas para a prevenção da HAS, estão ainda hábitos saudáveis como o abandono do tabagismo e o controle do estresse por técnicas de relaxamento.

 

causas-e-prevencao-da-hipertensao

 

IMPORTÂNCIA DO TRATAMENTO ADEQUADO

A mudança no estilo de vida é muito importante para o equilíbrio dos níveis de pressão. Mas, muitas vezes, ela por si só pode não ser suficiente para o tratamento e o controle da pressão arterial. Sendo assim, há medicamentos anti-hipertensivos que estão disponíveis no mercado e no Sistema Único de Saúde (SUS). Para tanto, é necessário acompanhamento de um médico especialista e a realização de exames periódicos.

medica-e-paciente-cuidando-do-coracaoNesse aspecto é fundamental a aderência farmacológica, que consiste em seguir corretamente as instruções dadas pela equipe de saúde envolvida no tratamento. Estas instruções estão relacionadas tanto à mudança no estilo de vida quanto à maneira de tomar as medicações. A aderência ao tratamento deve ser estimulada nos pacientes com pressão alta, pois como é uma patologia silenciosa, que raramente gera sintomas, os pacientes geralmente abandonam o tratamento por não sentirem benefício aparente. No entanto, essa prática é extremamente perigosa. Essa falta de aderência é tão comum que um estudo recente realizado por nossa equipe demonstrou que cerca de 57% dos pacientes que tomam mais de 3 remédios não são aderentes, o que prejudica o controle da pressão e aumenta o risco cardiovascular.

Ainda que, inicialmente, a doença não cause sintomas desagradáveis ou não acarrete consequências visíveis no curto prazo, o paciente deve considerar que o objetivo da equipe de saúde com o tratamento adequado é evitar futuros problemas mais sérios.

Portanto, vencer a hipertensão arterial, essa vilã do coração saudável, significa: preveni-la sempre, realizar mudança no estilo de vida e tratamento adequado com acompanhamento médico e boa aderência a esse tratamento.

 

Referências:

 

colunistas-albina-garcia
SOBRE A AUTORA:

Vívian Franceschini dos Santos – Bióloga (UNIP), mestranda em Farmacologia (FCM/UNICAMP) e aluna do Laboratório de Farmacologia Cardiovascular, vinculado ao Centro de Pesquisa em Obesidade e Comorbidades, atuando em pesquisa clínica e assistência ambulatorial de hipertensos, estudando hipertensão resistente, obesidade e diabetes.

 

NENHUM COMENTÁRIO

Deixe uma resposta