Tomar leite ajuda a proteger a saúde do cérebro, indica estudo

Tomar leite ajuda a proteger a saúde do cérebro, indica estudo

Pesquisa mostra que a ingestão de leite aumenta níveis de antioxidantes no cérebro, potencialmente ajudando a protegê-lo de doenças como o Alzheimer e o Parkinson.

beber leite faz bem ao cerebro
Beber leite faz bem ao cérebro, revela estudo.
O leite há muito tempo é visto como benéfico à saúde, especialmente porque é ótimo para fortalecer os ossos e a melhorar o funcionamento muscular. Uma nova pesquisa adiciona mais um órgão na lista dos beneficiados pelo alimento: o cérebro.

De acordo com o estudo, publicado no The American Journal of Clinical Nutrition, tomar leite aumenta os níveis de um antioxidante importante no cérebro, o que ajuda a proteger o órgão contra danos e doenças.

O resultado é interessante pois foi observado em adultos mais velhos, os quais representam a faixa etária com maiores riscos de desenvolver problemas neurológicos como o Alzheimer e o Parkinson.

 

ANTIOXIDANTES E RADICAIS LIVRES

Ressonâncias do cérebro dos voluntários do estudo mostraram que aqueles que ingeriam leite com regularidade tinham níveis maiores de glutationa, um poderoso antioxidante.

Durante o funcionamento celular normal, radicais livres são naturalmente formados. Estas moléculas podem causar danos graves às células e tecidos do organismo se não forem “neutralizadas” pelo corpo. Quem faz este papel são os antioxidantes, como a glutationa. Com o passar dos anos, a capacidade do corpo de contrabalancear os efeitos danosos dos radicais livres diminui, o que aumenta os riscos de surgirem doenças.

Por isso, tomar leite pode ser visto como uma prevenção importante da saúde do cérebro, já que estimula a produção de antioxidantes.

alimentos com vitamina C antioxidantes
Alimentos ricos em vitamina C, como as frutas cítricas, são ótimas fontes de antioxidantes.
Uma dieta equilibrada e nutritiva, aliada a exercícios físicos regulares, também é uma maneira eficiente de aumentar a produção de antioxidantes e ajudar o organismo a se recuperar de danos moleculares.

“Se conseguirmos descobrir uma maneira de atacar estes danos [causados pelos radicais livres] através de mudanças no estilo de vida, incluindo dietas e exercícios, isto terá implicações enormes para a saúde cerebral”, disse In-Young Choi, professor de neurologia na Universidade do Kansas e um dos autores do trabalho.

FONTE Redação SobrePeso

NENHUM COMENTÁRIO

Deixe uma resposta